História de Jundiaí

História de JundiaíO nome Jundiaí é um vocábulo de origem tupi e vem da palavra “jundiá”, que significa “bagre” e “y” significa “rio”. Alguns estudiosos também consideram o termo “yundiaí” como “alagadiços de muita folhagem e galhos secos”.

Como surgiu

A região de Jundiaí, até início do século XVII, era habitada exclusivamente por povos indígenas, sendo que alguns grupos viviam em clãs familiares, caracterizando-se pelo nomadismo, e outros eram sedentários, de origem tupi-guarani, que se dedicavam à produção de milho e mandioca. Eram povos guerreiros, bons caçadores e pescadores, organizavam-se em aldeias compostas por cabanas circulares feitas de tronco e cobertas de palha. Em cada uma delas, moravam várias famílias aparentadas entre si. Parte da cultura indígena foi incorporada pelos brancos colonizadores, entre elas a técnica construtiva e a utilização de queimadas na lavoura.

Os primeiros colonizadores brancos chegaram à região em 1615, seguindo o processo de interiorização. Apesar das controvérsias dos historiadores, a versão mais aceita sobre a fundação do município remete à vinda de Rafael de Oliveira e Petronilha Rodrigues Antunes que, por motivações políticas, fugiram de São Paulo e refugiaram-se nos arredores, fundando a Freguesia de Nossa Senhora do Desterro. Os novos colonizadores afugentaram os grupos indígenas, que se embrenharam na mata. A origem de Jundiaí está ligada diretamente ao movimento bandeirante, principal responsável pela ocupação da antiga capitania de São Vicente.

A inauguração de uma capela dedicada a Nossa Senhora do Desterro, no ano de 1651, marcou o início do reconhecimento da povoação de Jundiaí. Quatro anos mais tarde, elevada à categoria de vila.

Em 1655 Jundiaí marcava o limite norte do povoamento da capitania de São Vicente. Este povoamento acusava dois rumos principais: um de Jundiaí para leste, atingindo a zona montanhosa banhada pelo rio Atibaia, e outro de Jundiaí para o norte, alcançando o vale do rio Moji-Guaçu. No primeiro caso, surgiu a fundação do povoado de Atibaia na Fazenda de São João, por Jerônimo de Camargo, onde em 1655 se fixaram os índios trazidos do sertão pelo padre Mateus Nunes de Siqueira, povoado que passou a ser capela curada em 1680. E, cerca de 1676, a povoação de Nazaré. Depois da descoberta das minas de Goiás no século XVIII chegou a traçado definitivo o "caminho dos Guaiases", partindo de Jundiaí, atravessando as povoações de Mogi Mirim e Mogi Guaçu, rumando para o noroeste por áreas que mais tarde formarão o Sul de Minas Gerais.

No dia 28 de março de 1865, Jundiaí foi elevada à condição de cidade.
Nas décadas seguintes, a cidade tornou-se uma estratégica área de entroncamento ferroviário, o que possibilitou a imigração de ingleses, espanhóis e italianos, motivados por incentivos governamentais, que tencionavam substituir a mão-de-obra escrava.
Nas últimas décadas do século XIX, Jundiaí destacou-se como importante centro produtor de café do estado de São Paulo e, à partir de 1890, a cidade recebeu uma grande massa de imigrantes italianos, cujas influências começaram a surgir em perfeita sintonia com os habitantes da cidade.

Na primeira metade do século XX, Jundiaí descobriu a sua vocação industrial, que perdura até hoje, pois a cidade possui um dos maiores parques industriais da América Latina, o que contribui para os altos níveis de poluição do município. A indústria do lazer nas cidades próximas também está incrementando a economia local, com a instalação de parques temáticos que atraem turistas e geram empregos para os jundiaienses.
Ultimamente o município enfrenta problemas característicos dos centros brasileiros de alta densidade populacional, destacando-se nas taxas de criminalidade, sendo um dos municípios recordistas no Estado de São Paulo em roubo de automóveis.

O aniversário da cidade é comemorado em 14 de dezembro, data em que foi elevada à categoria de Vila. Em 2005 foi aprovada uma emenda que decretou feriado municipal na data, comemorado a partir de 2006. Porém, os comerciantes da cidade não aprovaram a ideia, pois, segundo eles, ia prejudicar o comércio a apenas onze dias do Natal, e recorreram. A partir de 2008 o feriado tornou-se facultativo.

Subdivisão

A prefeitura elaborou uma divisão administrativa oficial para a cidade, dividindo-a em sete regiões: central, leste, oeste, norte, sul, vetor noroeste e vetor oeste. Cada região é dividida em bairros.
Porém, a despeito desta divisão oficial muitos bairros são chamados por outros nomes, e muitos bairros tem seus nomes populares cedidos a outros bairros próximos. Enfim, a divisão oficial não é seguida pela população.
A relação das regiões e bairros da cidade está no anexo Divisão Administrativa de Jundiaí.

Geografia

Jundiaí situa-se a uma altitude média de 760 metros.
Clima: O clima da cidade é o Tropical de altitude, apresentando verões quentes e chuvosos e invernos amenos e subsecos. A temperatura média anual gira em torno dos 21°C, sendo o mês mais frio Julho (média de 17°C) e o mais quente Fevereiro (média de 24°C). O índice pluviométrico anual fica em torno de 1400 mm.
Jundiaí tem um relevo muito acidentado, devido à Serra do Japi.
A Serra do Japi, situada a sudoeste da cidade, é uma grande reserva ambiental, com uma das maiores áreas florestais do estado de São Paulo intactas.
Seu principal rio é o rio Jundiaí.

Hidrografia

Rio Jundiaí - divide o antigo centro comercial da cidade de alguns bairros como Ponte São João e Jardim Rio Branco. Entra na cidade em sua divisa com a cidade de Várzea Paulista e sai da cidade na divisa com a cidade de Itupeva.
É um dos limites naturais do centro histórico interfluvial Jundiahy, marcado também pelo córrego do Mato e pelo rio Guapeva no trecho entre a Ponte Torta e sua foz. Nessa área, a maioria dos antigos riachos e nascentes foi soterrada pela ocupação urbana registrada desde o século XVII.
Há alguns anos a prefeitura investiu na retirada de sedimentos e afundamento da calha do rio, bem como limpeza e colocação de placas de concreto em suas margens, isso acabou com as constantes enchentes que assolam os bairros baixos no curso do rio, como a Vila Rio Branco, Jardim Danúbio, Ponte de Campinas e Vila Lacerda.
O rio está em processo de despoluição iniciado em 1983, custeado pela prefeitura e iniciativa privada.

Economia

Considerada uma região próspera no Estado de São Paulo, Jundiaí ocupa o oitavo lugar no PIB.
Jundiaí sempre foi conhecida como a terra da uva e do morango, mas além de ter uma grande produção agrícola, a cidade tornou-se um pólo para empresas de logística e ainda possui um parque industrial com mais de quinhentas empresas.Como por exemplo: Coca-Cola, Kraft Foods, Akzo Nobel, Sadia, Ambev, Siemens, Bollhoff, Frigor Hans, Parmalat, Itautec, Foxxcom, Centros de Logísticas como Casas Bahia, Renault/Nissan, Magazine Luiza ..., Deca, GT Usinagem e Revestimento entre outras, fazendo com que a cidade se destaque no cenário industrial.
O município também se destaca nos setores de alimentos e bebidas, cerâmica (com mais da metade da produção nacional), auto-peças, metal-mecânica, borracha, plásticos, embalagens e bens duráveis. Já na agricultura, a cidade tem um grande destaque no cenário nacional. Conhecida pela produção de morango e uva, Jundiaí conta com 27 mil hectares de área cultivada, o que garante um PIB agrícola médio de R$ 80 milhões por ano, deixando o município com a quinta população rural do país. A cidade também conta com produção de agricultura de corte e rebanho bovino, tanto para consumo regional, quanto para exportação.

Futebol

Em 2009 o Paulista completou 100 anos de história, no dia 17 de Maio. O clube estava disputando a Série D, mas foi desclassificado na segunda fase, contra o Macaé. Dentre os títulos do Paulista, estão o Campeonato Brasileiro de Futebol de 2001 - Série C e a Copa do Brasil de Futebol de 2005. O time também participou da Copa Libertadores da América de 2006, quando venceu o adversário River Plate.

Filhos ilustres

  • Ana Carolina Reston Macan (1985-2006), modelo
  • Antônio de Queirós Teles, barão de Jundiaí (1789-1870), político
  • Antônio de Queirós Teles, conde do Parnaíba (1831-1888), político, presidente da província de São Paulo (1886-1887), filho do Barão de Jundiaí
  • Beto Brant , consagrado como um dos melhores cineastas do País
  • Bianca Bin, atriz, trabalhos na Rede Globo em Malhação (2009) e Passione (2010)
  • Blandina Augusta de Queiroz Aranha (nascida Pereira de Queiroz), (1836 - 1928), baronesa de Anhumas,casada com Manuel Carlos Aranha, barão de Anhumas, proprietária de terras
  • Carlos Orsi, jornalista, editor de Ciência no portal do jornal O Estado de São Paulo
  • Cida Marques, modelo
  • Cláudio Nucci (9 de julho de 1956), Cantor, compositor, poeta membro do famoso
  • Grupo Boca Livre nos anos 70 e 80
  • Dalmo Gaspar (1932), bicampeão interclubes pelo Santos Futebol Clube em 1963
  • Daniela Biancardi, atriz e educadora com cursos e apresentações na Europa e
  • África
  • Décio Pignatari (1927), poeta, ensaísta e tradutor
  • Doni (1979), jogador de futebol, goleiro da seleção brasileira, atua pelo Roma
  • (Itália)
  • Eloísa Mafalda (1924), atriz
  • Grafite (1979), jogador de futebol da seleção brasileira, atua pelo Wolfsburg (Alemanha)
  • Edison Ponzetto (1966), baterista da Banda Anesthesia
  • Fábio Zanon, músico reconhecido como um dos maiores violonistas do mundo
  • Fernanda Felicioni, jornalista da Rádio Eldorado
  • Flávio Augusto de Oliveira Queiroz (1865 - 1933), magistrado e jurisconsulto, irmão de Wenceslau José de Oliveira Queiroz
  • Hugo Picchi Neto (Hugo Picchi) (1975), Ator e manipulador de bonecos, em destaque para Cocoricó, na TV Cultura
  • Jean Fercondini (1987), ator, atuou na série Malhação e na novela Caminhos do Coração, irmão de Max Kablukow Fercondini
  • José Arnaldo de Oliveira (1963), sociólogo, coordenou a campanha O Cupuaçu é Nosso e foi co-autor de livros como Memória, Patrimônio e Meio Ambiente na Formação de Educadores e Amazônia Brasil
  • José Renato Nalini, desembargador do Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo
  • Juliana Gladino, atriz teatral, indicada para o Prêmio Shell
  • Júlio Machado , ator cinematográfico
  • Marcel Ramon Ponickwar de Souza 1956, médico e jogador de basquete pela seleção brasileira, criado em Jundiaí, irmão do também jogador Maury Ponickwar de Souza
  • Maurício Fossen, Juiz de Direito no 2º Tribunal do Júri de São Paulo, Fórum de Santana. Juiz no Caso Isabella Nardoni em março de 2010.
  • Max Gehringer (1949), consultor
  • Max Kablukow Fercondini (1985), ator, apresentador do Globo Ecologia, autou em novelas como Laços de Família
  • Milton Leite, jornalista da rede ESPN
  • Nenê (1981), jogador de futebol no clube PSG
  • Oscar Maroni Filho (1949), empresário
  • Paula Possani, atriz, trabalho na Rede Globo em Tempos Modernos (2010)
  • Reginaldo (31 de julho de 1983) , jogador de futebol, atua pelo AC Siena (Itália)
  • Wenceslau José de Oliveira Queiroz (1865 - 1921), magistrado, político, professor, jornalista, poeta e irmão de Flávio Augusto de Oliveira Queiroz
  • Viviane Brunieri (1976), modelo e porn star

Fonte: Wikipédia




  Sobre o EncontraJundiaí
Fale com EncontraJundiaí
ANUNCIE: Com Destaque | Anuncie Grátis

siga o Encontra Jundiaí no Facebook siga o Encontra Jundiaí no Twitter Encontra Jundiaí no Google+


Termos EncontraJundiaí | Privacidade EncontraJundiaí